Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tendinopatia do tendão rotuliano em atletas de basquetebol

por Radiografia Desportiva, em 06.09.15

A tendinopatia do tendão rotuliano é uma lesão relacionada com a sobrecarga existente neste tendão e recorrente em desportos que tenham o salto implícito no gesto técnico (Cohen, Ferreti, Marcondes, Amaro & Ejnisman, 2008), como é o caso do basquetebol.

 

Veja o vídeo e as semelhanças de dois grandes atletas, que utilizam o salto diversas vezes no seu jogo e lançamento. Estes movimentos expõem os atletas a este tipo de lesão. A atividade que mais causa a tendinopatia rotuliana é o salto realizado de forma excessiva. Este movimento expõe os atletas a este tipo de lesão, já que o quadricípete trabalha para a extensão do joelho (impulsão para o salto) e para a recepção ao solo. 

 

michael-jordan-air-jordan-min.jpg

Não existe ainda uma nomenclatura que seja inequívoca em relação aos termos que devem ser utilizados para descreverem esta situação clínica. No entanto, muitos autores sugerem o termo tendinopatia para descrever de uma forma genérica todas as patologias inerentes às lesões tendinosas (Khan, Cook, Taunton & Bonar, 2000; Jardim, 2005 & Cohen, et al., 2008).

 

—O tendão rotuliano insere-se, em cima, no vértice da rótula e por baixo, na tuberosidade anterior da tíbia, depois de se dirigir obliquamente para baixo e ligeiramente para fora. A face posterior do tendão relaciona-se, em baixo, com a bolsa serosa pré-tibial e por cima, com a massa adiposa anterior do joelho (Pina, 2006).

 

—A tendinopatia do tendão rotuliano é uma das condições tendinosas mais comuns em praticantes de modalidades desportivas (Khan et al., 2000). A prevalência desta lesão varia entre 35% a 40% em basquetebolistas de alta competição. Os jogadores de basquetebol saltam em média 70 vezes por jogo e cada recepção ao solo representa cerca de seis a oito vezes o seu peso corporal (—Bhar, Fossan, Loken & Engebretsen, 2006).

 

—A abordagem terapêutica para as tendinopatias do tendão rotuliano pode ser efetuada por duas grandes vertentes: o tratamento conservador e o tratamento cirúrgico. —Em termos clínicos, independentemente da fase em que se encontre a lesão, a abordagem inicial deverá ser sempre conservadora e o objetivo do tratamento passa por reduzir a dor e recuperar a função do atleta.

 

—Para esta lesão, são várias as propostas de intervenção descritas (para o tratamento conservador), nomeadamente:

- Repouso (parcial ou absoluto)

- Crioterapia (gelo)

- Realização de exercícios excêntricos

- Eletroterapia

- Correção biomecânica dos fatores predisponentes da lesão

- Redução de carga de treino

- Farmacologia

- Ligaduras funcionais de dispersão de forças (junto ao tendão rotuliano)

(Khan, 2000; Cook & Khan, 2001; Jardim, 2005 & Cohen, 2008).

 

—Em relação aos procedimentos cirúrgicos que existem, pode-se destacar a excisão de áreas necrosadas, resseção da inserção tibial do tendão rotuliano com realinhamento e/ou descompressão do tendão assistida com artroscopia (Khan, et al., 2000).

 

—Apesar de ser muito estudada, a tendinopatia do tendão rotuliano não possui uma evidência científica consistente que clarifique as suas causas, o seu processo fisiopatológico e os procedimentos utilizados no tratamento conservador.

Bons treinos!

 

—Bhar, R., Fossan, B., Loken, S., & Engebretsen, L. (2006) – Surgical Treatment Compared With Eccentric Training For Patellar Tendinopathy (Jumper´s Knee).The journal of bone and joint surgey, Vol. 88-A, nº(8).

—Cohen, M., Ferreti, M., Marcondes, F. B., Amaro, J. T & Ejnisman, B. (2008) – Tendinopatia patelar. Rev Bras Ortop, nº (8): 309-18.

—Cook, J. & Khan, K M. (2001) - What is the most appropriate treatment for patellar tendinopathy? Br J Sports Med, pp 291-294.

—Jardim, M. (2005) – Tendinopatia Patelar. EssFisOnline, Vol. 1, nº (4).

—Khan, K. M., Cook, J. L., Taunton, J. E. & Bonar, F. (2000). - Overuse Tendinosis, Not Tendinitis - Part 1: A New Paradigm for a Difficult Clinical Problem. The Physician and Sports medicine, Vol.28 nº 5.

—Pina, J. A. E. (2006) – Anatomia Humana da locomoção. 3ª Ed., Lidel - Lisboa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:37



Mais sobre mim

foto do autor


Facebook


Endereço eletrónico

radiografiadesportiva@gmail.com

Calendário

Setembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog