Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Setembro de 2015 - Lesões do membro inferior

por Radiografia Desportiva, em 31.08.15

Durante o mês de Setembro, a Radiografia Desportiva irá identificar algumas das lesões de membro inferior (tornozelo, joelho e anca) mais frequentes do desporto e explicar a sua avaliação e forma de tratamento. Esteja atento.


#desporto #saúde #radiografiadesportiva


radiogdesport.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

Nutrição

por Radiografia Desportiva, em 28.08.15

A nutrição é muito importante e deve ser considerada como parte da preparação e recuperação dos atletas para a obtenção do máximo rendimento desportivo. Todas as componentes devem ser consideradas (antes e durante a competição). A ingestão correta de nutrientes e líquidos, é vital para o posterior desempenho físico.

 

Há uma grande percentagem de portugueses que tem excesso de peso e o estilo de vida também precisa de uma reformulação para essa tendência inverter. Até mesmo atletas profissionais, por vezes têm um quilos a mais. É necessário saber as necessidades nutricionais de cada um, adaptando ao tipo de atividade/exercício, tipo de treino e adaptada à competição ao qual o jogador está inserido.

Partilhamos uma excelente ilustração nutricional da empresa "Precision Nutrition". Podem ver aqui.

coaching-nutricao.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:14

Intensidade no treino

por Radiografia Desportiva, em 27.08.15

A individualização e elevada intensidade que é colocada no treino, é importante para a obtenção de resultados positivos em competição.

 

Partilhamos um treino do Atlético de Madrid (um dos adversários do Benfica na presente edição da Liga dos Campeões) e a grande intensidade que os exercícios têm. Por exemplo, o atleta Luciano Vietto, não conseguiu tolerar o treino até ao final.

 

Treino - Atlético de Madrid

O treino aeróbio permite melhorias na endurance do atleta e na aptidão para fazer repetidamente esforços de alta intensidade. Assim, o treino aeróbio irá melhorar a capacidade do sistema cardiovascular de transporte de oxigénio, o que vai proporcionar uma maior percentagem de energia para o exercício intenso durante períodos de tempo continuados. Através deste tipo de treino, a capacidade de recuperação entre um período de exercício de alta intensidade e o seguinte, será progressivamente inferior.

 

Por outro lado, o objetivo do treino anaeróbio visa o aumento do potencial do atleta, de modo a que este consiga fazer exercícios de alta intensidade. Mais especificamente:

- Melhoria da agilidade e produção de potência (assim o atleta necessite de menos tempo para iniciar uma ação, elevando a performance da velocidade da corrida, por exemplo);

- Capacidade de produção de potência e energia de forma contínua, por meio dos mecanismos anaeróbios produtores de energia, o que eleva a capacidade do atleta efetuar exercício de alta intensidade durante períodos de tempo mais longos;

- Aumento da capacidade de recuperação após um período de esforço de alta intensidade.

 

Um rendimento mais elevado no exercício de alta intensidade pode ser promovido intercalando-o com períodos adequados de repouso (treino intervalado).

 

A intensidade do treino, é uma variável muito importante para o controlo e monitorização dos resultados do treino.


No vídeo partilhado, são realizados também exercícios proprioceptivos, funcionais e de estabilidade articular.

 

Bons treinos!

"Achas que é difícil treinar? Experimentar perder."

11902560_1694735594091005_3759904724983560759_n.jp

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

Relva sintética vs Relva natural

por Radiografia Desportiva, em 26.08.15

A Radiografia Desportiva hoje aborda o tema dos diferentes tipos de relvado, que dão vida à magia do futebol. Poderá o relvado artificial ser mais propício ao risco de lesão desportiva?

 

turf8.jpg

O CSKA de Moscovo (adversário de hoje do Sporting Clube de Portugal) joga em relvado natural, mas por exemplo o seu rival Spartak de Moscovo utiliza relvado sintético.

 

O piso sintético tem sido a solução para diversos campos (e também recintos escolares) já que a sua manutenção é relativamente simples e é resistente a alterações de clima. De qualquer forma, as notícias sobre este tipo de relvado têm sido pouco indicadas para a prática de desporto de alto rendimento. Por exemplo, este ano o Boavista foi obrigado a trocar o relvado sintético por natural na época 2015/2016. Recorde-se que o Estádio do Bessa, era o único na 1ª Liga Portuguesa a ter relva artificial.

Fará sentido, tendo em conta a saúde dos atletas?

 

Segundo, alguns estudos científicos, parece que sim. É claro que ainda é necessário haver uma exaustiva avaliação de lesões em diferentes relvados, para informar os atletas, profissionais de saúde e organismos desportivos dos mecanismos de lesão e fatores de risco.

 

Apesar do referido, alguns estudos científicos demonstraram que:

- Em vários campos de relva artificial, houve um aumento do risco de lesão no tornozelo.

- Qualquer inferência quanto à gravidade de lesão é inconsistente, apesar de jogar na relva sintética ser mais suscetível a feridas/queimaduras.

- Um dos principais padrões de lesão no relvado sintético, em comparação com o natural, inclui a probabilidade do pé ficar fixo quando há mudança de direção do atleta e assim, pode acrescer o risco de lesão.

 

The Relationship Between Core Stability and Performance in Division I Football Players

 

A Review of Football Injuries on Third and Fourth Generation Artificial Turfs Compared with Natural Turf

 

Comparison of the incidence, nature and cause of injuries sustained on grass and new generation artificial turf by male and female football players. Part 1: match injuries.

 

Is there a relationship between ground and climatic conditions and injuries in football?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:56

"Beer Mile" - Desporto, corrida e cerveja

por Radiografia Desportiva, em 19.08.15

Desporto, corrida e cerveja. É possível conciliar os 3? Sim!! Na corrida "Beer Mile".

 

Esta prova, já tem tido destaque noutros países e espaço de comunicação social (como ESPN, CNN, The New York Times ou The Walk Street Journal), mas em Portugal ainda pouco se fala. O conceito desta prova não é muito complexo. Os atletas devem correr uma milha (1,6 km) e a cada 400 metros bebem uma cerveja.

 

Veja os melhores tempos da prova e cervejas associadas

 

11904727_1694250647472833_3229878415982923492_n.jp

A prática da corrida tem-se tornado um hábito cada vez mais popular, o que contribui para o aumento dos níveis da atividade física. Este facto ainda é mais importante, pelo facto da inactividade física estar associada ao desenvolvimento de doenças crónicas, diminuição da longevidade, perda de funcionalidade e diminuição do controlo do peso.

 

O tipo de nutrição, de alimentação e hidratação têm um papel importante na saúde e na prestação desportiva. Há quem refira que a cerveja pode trazer benefícios aos corredores. Pode ler aqui.

 

homer-musculo-cerveja.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:29

ReWalk - Andar de novo em paraplegia

por Radiografia Desportiva, em 17.08.15

Foi desenvolvido um exoesqueleto que ajuda as pessoas paraplégicas a terem mais qualidade de vida. Desenvolvida pela empresa israelita Argo Medical Technologies, atividades de vida diária como andar, subir e descer escadas, são possíveis com este aparelho.

 

 

Paraplegia — Este termo descreve diminuição ou perda da função motora e/ou sensitiva dos segmentos torácicos, Iombares ou sacrais (não cervicais). A paraplegia deixa íntegros os membros superiores; dependendo do nível de lesão pode incluir o tronco, membros inferiores e orgãos pélvicos.

 

ReWalk - Walk again: Argo's Exoskeleton Technology

 

maxresdefault (1).jpg

Há alguns casos de desportistas, que ficaram paraplégicos. Um nome bem conhecido do futebol português é Sergey Shcherbakov. Após ultrapassar um semáforo vermelho, sofreu um acidento de carro, que o deixou paraplégico. Nessa altura, ainda jogava no Sporting Clube de Portugal. Apesar de bastante apoiado após a lesão, hoje ninguém fala dele...


Um caso que segundo os especialistas, também poderia ter causado paraplegia, foi o da lesão de Neymar no Mundial de 2014 no Brasil (fratura do processo transverso de L3).

 

Lesão de Neymar - Explicação

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:23

Quedas na Moto GP

por Radiografia Desportiva, em 16.08.15

A moto GP (Moto Grand Prix) é a principal categoria do Grande Prémio de Motociclismo.

 

11892110_10204982987350080_8894930381235888959_n.j

 

O piloto espanhol Dani Pedrosa (presente na fotografia), esteve afastado das pistas por várias semanas, de forma a encontrar uma solução para uma lesão no braço direito, que o afetava desde 2014. São vários os atletas que têm sofrido lesões neste desporto. Por exemplo, Jorge Lorenzo que hoje ganhou na República Checa a corrida (Brno) tem oito parafusos e uma placa de tinânio na clavícula esquerda.

 

De destacar que o atleta Valentino Rossi, é até ao momento, o único piloto que ainda não teve uma queda este ano. 

 

Historial de quedas Moto GP

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43

FIFA 11+ (Programa de prevenção de lesões)

por Radiografia Desportiva, em 14.08.15

O programa de prevenção de lesões FIFA 11+ foi desenvolvido por um grupo internacional de especialistas com base na sua experiência clínica. É um aquecimento completo, devendo substituir parte do aquecimento normal realizado antes do treino.

 

O FIFA 11+ tem três partes:

1) Exercícios de corrida a velocidade reduzida

2) Força, Pliometria e equilíbrio

3) Exercícios de corrida a velocidade moderada/elevada associando mudanças de direção.

 

fifa11poster-140103182432-phpapp01-thumbnail-4.jpg

 

Os atletas devem começar pelo nível 1 e só deverão passar para o seguinte, quando conseguirem executar o anterior sem dificuldades.

 

Todos os vídeos de exercíos estão disponíveis na hiperligação apresentada: Exercícios FIFA 11+

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:04

A idade é relativa...

por Radiografia Desportiva, em 13.08.15

Não somos capazes de medir diretamente o envelhecimento. De qualquer forma, a quantificação de diversos parâmetros fisiológicos permite distinguir diferentes ritmos de envelhecimento.  Há aspetos bio-psico-sociais a considerar, mas também há aspetos biológicos que não somos capazes de medir diretamente.

 

"Older Athletes Have a Strikingly Young Fitness Age"

 

Parâmetros de idade biológica  (Borkan e Norris) 

Estes autores começaram por utilizar parâmetros para determinar a idade biológica de uma pessoa: capacidade vital; capacidade respiratória máxima; pressão arterial sistólica; pressão arterial diastólica; volume expiratório forçado (1 segundo); hemoglobina; limiar auditivo; acuidade visual; creatinina; glicémia; metabolismo basal; densidade óssea; força manual; capacidade máxima de trabalho muscular; teste de memória visual de Benton; tempo no teste de tapping (distância curta e intermédia); tempo de teste de tapping (distancia curta); tempo de reacção (simples e para realizar uma decisão) e tempo de reacção do pé. 

 

Há um estigma relacionado com a idade cronológica. Achar que as pessoas mais velhas já não podem render tanto em desporto, nem sempre é verdade. A experiência traz outras vantagens e benefícios às qualidades intrínsecas de um atleta.

 

A atividade física traz tanto benefícios físicos, como emocionais e está diretamente ligada ao controlo e prevenção de diversas patologias. Realizar exercícios é uma forma do organismo trabalhar frequentemente e também deve ser um desafio constante...
 

fitness-motivation-wallpaper-3-desktop-wallpaper.j

 

Por outro lado, temos sempre de valorizar a expressão "Use it or loose it" em todas as pessoas. Está provado que a principal causa do declínio durante o envelhecimento é por causa da “falta de uso” a nível físico, mental e social.

Exemplo:

muscle-mri-519x1024.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:11

Kinesio Tape no desporto

por Radiografia Desportiva, em 12.08.15

O método de Kinesio Taping é cada vez mais utilizado nas áreas de atuação da Fisioterapia, como o desporto.

A exigência ao nível desportivo é cada vez maior e todas as estratégias para melhorar o rendimento, são bem-vindas.

CEROTTO-MUSCOLARE-TERAPEUTICO-FITNESS-NASTRO-33879

Imagem da utilização de Kinesio Tape (atleta Mario Balotelli).

 

Aproveitamos para desejar os parabéns a este jogador talentoso e carismático, já que hoje faz 25 anos.

 

A utilização de Kinesio Tape em referências internacionais, como jogadores de futebol, contribuiu para a grande popularidade no desporto.

 

É proposto que o método de Kinesio Taping é mais eficaz em combinação com atividade física. Desta forma, as suas vantagens podem ser mais percetíveis em combinação com exercícios ou gestos técnicos de cada modalidade (Kubacki, Nalazek, Trela & Zukow, 2011).

 

A banda é aplicada sobre a área pretendida com os músculos em posição de alongamento. A sua aplicação é feita no trajeto muscular. (Kinesio Taping Association International, 2007). A aplicação da banda de Kinesio Tape no músculo é feita com 10% de alongamento, sendo as formas mais utilizadas de Kinesio Taping em forma de I ou Y (Kumbrink, 2012).

 

Por exemplo, foi proposto por um estudo que a atividade músculoar aumenta após 24 horas da aplicação de Kinesio Taping e que o seu efeito será mantido por mais 48 horas após a remoção do material (Slupik, Dwornik, Bialoszewski & Zych, 2007).

 

Fará então sentido aplicar uma banda de Kinesio Tape antes de um treino ou jogo? Segundo estes resultados, não!

 

Apesar de todos os benefícios sugeridos do método de Kinesio Taping (como alívio da dor, melhoria da circulação sanguínea, correção do movimento e aumento da estabilidade) são necessários mais estudos e investigações para objetivar o seu real efeito nos sistemas músculo-esquelético, neuromuscular e sensorial.

 

Kinesio Taping Association International (2007). What is kinesio taping? http://www.kinesiotaping.com.

Kubacki, M., Nazalek, A., Trela, E., & Zukow, W. (2011). Use KinesioTaping method as a support of classical massage in the pain syndromes of lumbar-sacral segment spine of basketball players. Journal of Health Sciences, 1 (4), 21-45. 

Kumbrink, B. (2012). K Taping. Berlin: Springer-Verlag.

Slupik, A., Dwornik, M., Bialoszewski, D. & Zych, E. (2007). Effect of Kinesio Taping on Bioelectrical Activity at Vastus medialis Muscle. Preliminary report. Ortop Traumatol Rehabil. 9 (6), 644-51.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Endereço eletrónico

radiografiadesportiva@gmail.com

Calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog